segunda-feira, 8 de março de 2010

Era uma vez um menino triste, magro e barrigudinho, do sertão de Pernambuco. Na soalheira danada do meio dia, sentado na poeira do caminho imaginando bobagem, quando passou um gordo vigário a cavalo:
- Você aí, menino, para onde vai essa estrada?
- Ela não vai não: nós é que vamos por ela.
- Engraçadinho duma figa! Como se chama?
- Eu não me chamo não: os outros é que me chamam de Zé.


(texto em uma prova de português)

2 comentários:

Beleza de Ser disse...

Meu problema com provas de português era que geralmente me perdia nos textos e poemas, passeava pelas letras e me esquecia das perguntas rsrs.
E esse daí já foi um texto e uma das minhas provas.

Rodrigo disse...

É sempre fofo recebê-lo no meu blog, querido.
O filme sobre Sylvia Plath - "Paixão além das palavras" não é recente, já têm um tempinho bom, mas é lindo. Inclusive, tenho e já o revi umas 500 vezes. Beijos!

Rodrigo