sábado, 3 de abril de 2010

viver é mais perigoso que morrer
ou
prefiro a abstração da metade incompleta