segunda-feira, 9 de abril de 2007

Está em mim

Eu, muitas vezes fujo de mim mesmo. Fujo de minhas ansiedades e de meus sentimentos de culpa. Fujo de situações ameaçadoras e de conflitos com outros. Mas tudo aquilo de que fujo está dentro de mim. Não consigo fugir de mim mesmo, pois carrego tudo junto.
Isto me lembra o homem que procurava fugir de sua sombra. Aumentou a velocidade da corrida para livrar-se da sombra. Mas sempre que olhava ao seu redor encontrava em algum lugar a sombra. Não conseguia desembaraçar-se dela. Continuou correndo como um louco até cair morto. Também não consigo livrar-me daquilo que fujo. Levo comigo. Está dentro de mim. Fugir e estafar-me não me leva a nada. Não é dessa maneira que vou conseguir êxito. Só me resta uma saída: ficar parado e reconciliar-me com aquilo que está dentro de mim.
O primeiro passo da reconciliação consiste em permitir-me reter em mim aquilo de que preferiria fugir e que, portanto, não deve ser jogado fora. Renuncio a avaliar. Aquilo é como é. E assim deve ser.
O segundo passo consiste em voltar-me carinhosamente para o que rejeito reiteradamente em mim. Isto faz parte de mim. É uma parte minha. E também esta parte será amada.
Mas não é só este reflexo de medo que está em mim e me move, mas também o desejo ardente: o desejo ardente de segurança e amor absoluto. Não posso matar o desejo ardente em mim. Ele é a pegada que Deus imprimiu em meu coração para que eu lembrasse dele. O desejo ardente é uma força em mim que me transporta para além deste mundo. Também aquilo que desejo ardentemente já está sempre em mim. Desejo-me sucesso, amor, paz...
Tudo isto já está dentro de mim. Em mim está o amor, só preciso percebê-lo. Em mim há o sucesso. Quando eu me afirmo como sou, eu sinto a mim mesmo, sinto a vitalidade a amplidão. O que é, pois sucesso? Algo saiu bem para mim. E quando alguma coisa sai bem para mim, sou bem-sucedido. O sucesso, portanto, já está dentro de mim. Não preciso comprá-lo. Não preciso obtê-lo através de realizações externas. Preciso apenas entrar em harmonia comigo mesmo, alegrar-me com aquilo que provém de mim, então perceberei esta harmonia benfazeja como força que se basta a mim mesmo, mas que se irradia para fora. A estima também está dentro de mim. Quando tenho auto-estima, não preciso correr atrás da estima. Já não é tão importante se os outros me estimam.
Se parar e escutar o meu interior, encontro tudo em mim. Esta é a verdade mais profunda da minha vida: Deus está em mim. E com isso está no meu coração tudo o que mais desejo. Trata-se, pois, de não fugir desta verdade, mas acolhê-la e se posicionar diante dela.

4 comentários:

Carlinha disse...

Pois é querido Pulchro, o mundo está em nós, basta procurarmos (ou fugirmos) do que quisermos...
Adorei ver você reflexivo!
Tem talento, beijos!

Anônimo disse...

Taí fujir. Nunca o vi dessa maneira. Sempre tive a impressão que vc na verdade é bem indeciso. Mas talvez naum tenha tido muito contato para perceber essa sua faceta!

Espero que realmente encontre a paz. Pois me parace que isso e o que precisa mais...

Robson disse...

Nossa, q poeteiro. (rs)

ABração.

Lindinha disse...

Belíssima reflexão...
Depois de uma pequena ausência, intoxicação de chocolates e uns quilinhos a mais (brincadeirinha!), cá estou eu novamente.
Passando pra desejar uma semana linda, cheia de coisas boas, vibrações positivas e grandes realizações.
Tem post novo lá em casa. Vem?
Beijo no coração...

“Decifra-me... ou devoro-te... Arrisque-se se for capaz.”